Version Completinha

oficina: Quando o demônio de Maxwell encontra o pan-óptico de Bentham: como evitar ser hackeado pelo design do vício (e do silício) californiano?

Oficina sobre economia política da internet e táticas de redução de danos na saúde pública

Event large

Já parou pra pensar quanto tempo você consegue se concentrar lendo um livro ou conversando com alguém sem conferir as várias notificações dos apps que você baixou no seu celular? Já pensou sobre por que você não consegue parar de conferir essas notificações no seu celular a cada 5 minutos? Você acha que verificar notificações em seu celular mais de cem vezes por dia é uma escolha individual sua ou isso tem a ver com um determinado “modelo de negócios”? Articulando subjetividade e política, essa oficina pretende provocar em seus participantes uma reflexão sobre as relações entre economia política da internet (EPI) e saúde pública bem como adotar e criar táticas de redução de danos para resistir a formas neuro-cognitivas de exploração no capitalismo da vigilância.

Inúmeros estudos já mostraram modulações cerebrais com o uso da internet. Através da ativação do sistema de recompensa, o aumento da dopamina pode levar a formas de dependência como privação do sono, busca compulsiva de informações online, síndrome do pensamento acelerado, ansiedade e depressão. Nesse sentido, seria a internet uma “droga digital” a serviço de um novo regime de acumulação do capital? Diante desse paradoxo, quais são as expectativas de encontrar um uso equilibrado das tecnologias da informação e comunicação digitais (TICDs), protegendo-se das empresas de tecnologia que hackeam nossos cérebros criando modelos de negócios altamente lucrativos, baseados em trabalho não pago e numa economia da atenção que explora nosso “fear of missing out” (FOMA), isto é, nosso medo de sermos deixados de fora das plataformas digitais e acabam por prejudicar nossa própria saúde mental, atrofiando as potencialidades emancipadoras do uso das TICDs. A oficina dura cerca de 120 minutos e inclui atividades teóricas e práticas. Entre elas, a exposição de conceitos chave, o mapeamento e a simulação de algumas medidas de redução de danos). Não há limites de vagas.